PEDAGOGIA DO BOM SENSO

Nesta página, a cada mês, publicaremos um texto do livro Pedagogia do Bom Senso de C. Freinet com o objetivo de contribuir para a reflexão da prática pedagógica. Este é o sexto texto do livro. Você pode acessar nosso blog e escrever comentários sobre este texto. O endereço é: redefreinet.blogspot.com.br

 

 A VIDA SEMPRE SOBE!

    Começava o dia; as ovelhas haviam deixado o campo onde passaram a noite, e eu saía, com o alforje ao ombro, atrás do pastor plácido e sereno.

    Caminhava por trilhas cujo segredo só ele conhecia. Nenhum animal à nossa volta - apenas um longínquo sussurro e o tilintar dos chocalhos localizando o rebanho em movimento, entre as estradas e os pinheiros.

    Estava inquieto por não ver os meus animais: iríamos encontrá-los antes de transpormos as barreiras, ou teríamos de voltar atrás, para procurá-los durante todo um dia?

    Foi o velho pastor que me explicou a razão da sua serenidade:

    - Garoto, de manhã, os animais sempre sobem. Vão para os cumes. Não é que o pasto lá seja sempre mais abundante ou mais fácil; mas é um instinto do ser lançar os braços para o azul do céu e partir ao assalto dos cumes. O capim, conquistado à força de músculos e tenacidade, tem um valor exaltante, talvez só por ter sido muito desejado...

    - Pode ficar tranquilo: vamos encontrá-los todos lá em cima!

    E acrescentou: - Só me preocupa o pequeno bando de Léon, domesticado demais, habituado demais a comer nos pastos e na manjedoura, e que tem como que a nostalgia das barreiras e do estábulo. Parece que já não têm força para subir; o ideal deles já não é lá em cima, mas embaixo... Preferem a rédea ao azul do céu... lá não são ovelhas dignas e orgulhosas: são cães!

    Ouça os chocalhos, lá em cima, diante de nós! Só à noitinha, quando o sol se extinguir por trás do Rocheroux, os nossos animais também vão descer para a calma e a segurança do vale, para amanhã voltarem a subir mais alto ainda.

    E as crianças - diria o pastor - são como as ovelhas: querem subir sempre. Você só terá paz e certeza se souber ajudá-las, às vezes precedê-las na subida aos cumes, ou segui-las... Infelizmente dos seres domesticados cedo demais que perderam o sentido da subida e que, como velhos em fim de corrida, preferem, ao ar do espaço e ao azul do céu, a coleira da sujeição e a ração da renúncia!

    São bons todos os caminhos que levam para as alturas.

    

C. Freinet, Pedagogia do Bom Senso, Ed. Martins Fontes, São Paulo, 1996, pg. 12.